Saab antecipa novas oportunidades se a Suécia se juntar à OTAN – Cavok Brasil

Saab antecipa novas oportunidades se a Suécia se juntar à OTAN – Cavok Brasil


A adesão sueca à OTAN abriria novos mercados para a Saab, disse o presidente-executivo do grupo de defesa, já que a invasão da Ucrânia pela Rússia interrompe um recuo induzido pela sustentabilidade da indústria por bancos e investidores.

Micael Johansson disse que ingressar na aliança militar era “uma decisão puramente política” para a Suécia, mas que a adesão “não teria efeitos negativos” no principal grupo de defesa do país, mesmo que isso significasse maior competição em casa.

“Estamos nos mercados dos países da OTAN hoje com sistemas compatíveis, mas há certas áreas em que normalmente não estamos envolvidos”, disse ele, apontando para sistemas avançados de mísseis, sensores sensíveis e soluções de comando e controle.

“Podemos trabalhar mais com isso dentro da aliança”, disse ele. “É claro que isso abre mais esse mercado.”

A vizinha Finlândia deve decidir nas próximas semanas se se candidata à adesão à OTAN, já que a invasão da Ucrânia pela Rússia leva os países europeus fora da aliança a repensar sua política de segurança.

Sistema AEW&C GlobalEye.

A Suécia também está debatendo a adesão, com o governo pedindo nesta semana que um relatório crucial sobre a política de segurança seja acelerado e divulgado em meados de maio.

A maioria dos especialistas espera que ele siga o exemplo da Finlândia, com pesquisas de opinião mostrando uma clara maioria de suecos a favor da adesão. Mas há mais obstáculos no caminho do que para a Finlândia, particularmente a posição anti-OTAN de longa data do partido social-democrata da Suécia. Uma decisão pode ocorrer antes da cúpula da OTAN em junho em Madri.

A Saab, que é inteiramente de propriedade privada com a família Wallenberg como principal acionista, produz o caça Gripen, bem como vários sistemas de armas e submarinos. O preço de suas ações quase dobrou desde que a Rússia invadiu a Ucrânia no final de fevereiro.

Johansson disse que a Saab deve se beneficiar fortemente das decisões de quase todos os governos europeus de aumentar os gastos com defesa. Ele disse que o prazo entre o aumento do interesse e a assinatura dos contratos dependeria da complexidade do produto em questão, mas que os acordos de mísseis e sistemas de vigilância podem ocorrer dentro de meses.

“Veremos os efeitos deste ano [nos pedidos] e isso se traduzirá em receita no próximo ano. Estamos trabalhando duro para fazer contratos com muitos países”, disse.

A Saab está atraindo o interesse de países que buscam reabastecer seu estoque de material militar ao enviar suprimentos para a Ucrânia e aumentar suas próprias capacidades para o futuro. “Haverá muita atividade”, acrescentou Johansson.

Ele disse que as questões de sustentabilidade relacionadas à indústria de defesa – que levaram muitos bancos e investidores suecos e internacionais a evitar o setor – não “surgiram” desde a invasão da Rússia.

“Mudou completamente durante este trimestre. Muitos abriram os olhos para ver o que estamos oferecendo às sociedades em termos de segurança e manter as pessoas seguras é essencial”, disse Johansson.

A instabilidade geopolítica também está afetando a cadeia de suprimentos global, que provavelmente sofrerá mais pressão na defesa devido ao aumento de pedidos. Johansson disse que a Saab garantiu seus suprimentos para o “próximo ano e mais” depois de iniciar o trabalho durante a pandemia de COVID-19 para aumentar os níveis de estoque.

A Saab divulgou na sexta-feira os resultados do primeiro trimestre com um aumento de 38% na entrada de pedidos em relação ao mesmo período do ano anterior e um aumento de 1% nas vendas. O lucro operacional aumentou 10% para US$ 69 milhões.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Main Menu