Planejadores da OTAN colocam o F-35 na frente e no centro da dissuasão nuclear europeia – Cavok Brasil

Planejadores da OTAN colocam o F-35 na frente e no centro da dissuasão nuclear europeia – Cavok Brasil


Após a decisão da Alemanha de comprar uma frota de F-35, os planejadores da OTAN começaram a atualizar a mecânica de compartilhamento nuclear da aliança para levar em conta as capacidades da próxima geração do jato, disse uma importante autoridade da OTAN nesta semana.

“Estamos nos movendo rápida e furiosamente em direção à modernização do F-35 e incorporando-os em nosso planejamento e em nosso exercício e coisas assim à medida que essas capacidades se tornam on-line”, disse Jessica Cox, diretora da diretoria de política nuclear da OTAN em Bruxelas.

Caça F-35 é acompanhado por jatos de combate Rafale e Eurofighters.

“Até o final da década, a maioria, senão todos os nossos aliados, terão feito a transição”, acrescentou ela, falando durante uma discussão on-line do Advanced Nuclear Weapons Alliance Deterrence Center, um think tank com sede em Washington.

O conceito de compartilhamento nuclear da aliança remonta à década de 1960. Prescreve que os países com armas não nucleares na Europa amarrariam bombas atômicas de rendimento relativamente pequeno em suas aeronaves de capacidade dupla e as lançariam em posições militares adversárias no caso de um ataque à OTAN.

A ideia é deter ataques mantendo a doutrina atualizada, comunicando-a a possíveis agressores e usando-a como moeda de troca durante conflitos com potencial dimensão nuclear, disse Cox.

Bomba nuclear B61.

Os militares dos Estados Unidos armazenam cerca de 150 bombas de gravidade B-61 na Bélgica, Alemanha, Holanda, Itália e Turquia para essa missão, de acordo com uma contabilidade recente em um artigo do think tank britânico Chatham House.

Mas as aeronaves F-16 e Tornado reservadas para o trabalho por um grupo “núcleo” de aliados europeus – como Cox os chamou, presumivelmente excluindo a Turquia – estão envelhecendo, levando a uma recente onda de decisões de atualização que foram todas favoráveis ??ao F-35 fabricado pela Lockheed Martin.

O governo dos EUA expulsou a Turquia do programa F-35 em 2019 devido à insistência do país em comprar equipamentos avançados de sensoriamento e defesa antimísseis russos capazes de desmascarar as capacidades furtivas do jato americano.

O Tornado será substituido pelo F-35 na tarefa nuclear da Força Aérea da Alemanha.

Mais recentemente, o novo governo alemão escolheu o F-35 especificamente para a missão de compartilhamento nuclear, comprometendo-se a até 35 exemplares. A decisão seguiu-se a uma longa discussão na Alemanha sobre a participação contínua de Berlim na responsabilidade de compartilhamento nuclear em primeiro lugar, um debate que parece ter diminuído após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Cox disse que os recursos avançados da aeronave também aumentarão as capacidades dos membros da aliança e clientes do F-35, como Polônia, Dinamarca ou Noruega, que podem ser encarregados de apoiar missões reais de compartilhamento nuclear. Por exemplo, acredita-se que o F-35 seja melhor em penetrar nas redes de defesa aérea e antimísseis, exigindo menos caças acompanhantes, disse ela.

“E também teremos algumas vantagens operacionais com o F-35, pois haverá oportunidades para melhorar a rede e a integração em toda a força”, acrescentou.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Main Menu