Os brasileiros que ganharam o Oscar da oncologia clínica

Os brasileiros que ganharam o Oscar da oncologia clínica


O Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, recentemente nomeou um jovem e promissor oncologista para coordenar seu novo instituto de pesquisas clínicas, inaugurado em janeiro do ano passado. 

O investimento já começou a se pagar.

Pedro Henrique Isaacsson VelhoO médico Pedro Henrique Isaacsson Velho, de 36 anos, chefe do Instituto de Pesquisa Moinhos, foi um dos 21 premiados com o Career Development Award – uma espécie de “Oscar” da oncologia clínica –  conferido anualmente pela Conquer Cancer Foundation, da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, em Chicago. Os agraciados ganham uma bolsa de US$ 200 mil para desenvolver seus estudos clínicos nos próximos três anos, e o Moinhos de Vento vai investir os recursos num estudo clínico que pode avançar o tratamento do câncer de próstata.

Foi a primeira vez que um hospital brasileiro apareceu entre os vencedores nos 30 anos da premiação, que está entre as mais cobiçadas pelos profissionais da área. 

Além do médico gaúcho, uma pesquisadora catarinense também está entre os ganhadores. Maria Alice Franzoi, de 33 anos, uma oncologista que trabalha no Institut Gustave Roussy, em Paris, lidera um grupo de estudo que usa ciência de dados para desenvolver terapias personalizadas e melhorar a qualidade de vida das mulheres que tiveram câncer de mama.

Pedro e a próstata

Pedro Henrique Isaacsson Velho, do Moinhos de Vento, formou-se em medicina pela Universidade Federal de Pelotas. Fez residência em oncologia clínica no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, da Faculdade de Medicina da USP, e em 2016 partiu para os Estados Unidos ao conquistar uma vaga como pesquisador em um dos principais centros de pesquisa médica do país, o Johns Hopkins Hospital. 

No início, Pedro contou com a ajuda de bolsas do Moinhos de Vento e da Sociedade Brasileira de Oncologia. No segundo ano, já era contratado pelo Johns Hopkins. Depois de homologar seu diploma nos Estados Unidos, ainda pôde exercer a medicina clínica lá.

Em 2019, Pedro já havia recebido um prêmio da mesma associação americana, o Global Young Investigator, destinado a incentivar os pesquisadores em início de carreira. Foi nesse mesmo ano que retornou ao Brasil para trabalhar como médico e pesquisador do Moinhos de Vento. Ele tem mais de 50 artigos científicos publicados.

maria alice franzoiO estudo que fará a partir de agora com a ajuda da bolsa será o teste clínico de uma nova terapia para casos avançados de câncer de próstata. Seu insight foi combinar elementos de dois tratamentos já usados rotineiramente, buscando potencializar os efeitos positivos e reduzir os efeitos colaterais indesejados.

Há vários anos, os médicos se valem da supressão hormonal para conter o avanço de tumores urológicos. Mas, com o tempo, as células tumorais conseguem se adaptar e driblam o obstáculo. A doença progride e pode levar à morte.

Pedro propôs como alternativa um tratamento que alterna níveis elevados e mais baixos de testosterona, uma técnica chamada terapia androgênica bipolar, em associação com uma medicação que já vem sendo usada nos pacientes, o Radium-223.

“Em medicina, quando tomamos dois medicamentos eles podem ser aditivos. O efeito de um se soma ao de outro, 1 + 1 é igual a 2. Mas acredito que, nesse caso, os tratamentos possam ser sinérgicos,” o pesquisador disse ao Brazil Journal. “Por isso, 1 + 1 poderá ser igual a 3, ou a 4. Tudo ainda é hipótese.”

Um grupo de 50 voluntários começará a receber o tratamento experimental este mês. São pacientes em que o tumor de próstata já evoluiu para a metástase. Na nomenclatura científica, são homens diagnosticados com câncer de próstata metastático resistente à castração.

O trabalho será feito em parceria com a Johns Hopkins Medicine International. A bolsa prevê três anos de estudos clínicos.

“Os indícios são promissores no que diz respeito à possibilidade de regressão do câncer e melhora na qualidade de vida dos pacientes,” disse o médico. “Os efeitos colaterais mais comuns do Radium-223 são a anemia e as fraturas, potencialmente graves. A testosterona ajuda a contrabalançar esses efeitos.”

Maria Alice e a mama

Maria Alice Franzoi dedica-se ao estudo das terapias que podem contribuir para melhorar a qualidade de vida das mulheres que tiveram câncer de mama. Ela estava no final de uma fellowship na Bélgica e se preparava para retornar ao Brasil, no ano passado, quando recebeu o convite para liderar um grupo de pesquisa de um dos mais respeitados centros de oncologia da França, o Institut Gustave Roussy.

Natural de Rio do Sul, em Santa Catariana, ela se formou em medicina pela Universidade do Sul, em Florianópolis, e depois fez residência no Hospital das Clínicas de Porto Alegre. “Sempre tive vontade de fazer pesquisa, em estar ao lado de pessoas que estão definindo os novos tipos de terapias,” ela disse ao Brazil Journal.

Maria Alice foi para Bruxelas em 2019, dedicando-se a pesquisas no Jules Bordet. Graças à publicação de um artigo na Lancet, recebeu o convite do instituto parisiense. No trabalho, um dos mais de 20 que ela já publicou em revistas científicas, a pesquisadora fez uma ampla revisão das terapias usadas para dar mais qualidade de vida às mulheres que, apesar de serem consideradas curadas do câncer de mama, sofrem com as sequelas biológicas e psicológicas legadas pela doença.

“A maior parte das mulheres vai viver com uma carga de sintomas depois do tratamento”, disse a pesquisadora. “As pesquisas mostram que 30% delas vão ter distúrbios emocionais, e 20% têm dificuldade de retornar ao trabalho. Os tratamentos acabam sendo focados na cura do tumor. Falta uma atenção para reabilitar ao máximo essas mulheres, para que elas tenham uma vida próxima do normal.”

Com a bolsa, a pesquisadora vai aprofundar os testes clínicos para o desenvolvimento de terapias personalizadas. “As pacientes não são todas iguais. Não adianta seguir uma receita pronta.”






Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Main Menu