Os B-52s mudaram muito em 60 anos. Assim como as maneiras pelas quais eles lutam. – Cavok Brasil


A Força Aérea dos EUA está na metade de um esforço de anos para reinventar seus icônicos bombardeiros B-52.

Na semana passada, a USAF selecionou a empresa britânica Rolls-Royce para fornecer motores novos e mais eficientes para os bombardeiros antigos da década de 1960. Poucos dias depois, um programa que a Força Aérea dos EUA está co-gerenciando testou com sucesso um míssil de cruzeiro hipersônico pela primeira vez.

A ideia é que, na década de 2030, a Força Aérea poderá armar seus 76 bombardeiros B-52Hs remotorizados com mísseis Mach 5 para ataques precisos de longo alcance durante, digamos, uma guerra de alta tecnologia com a China.

Agora considere a primeira guerra do bombardeiro da Boeing, sobre o Vietnã do Norte, cinco décadas atrás. A Força Aérea dos EUA enviou modelos B-52 mais antigos com cargas pesadas de bombas de gravidade através de densas defesas aéreas para atacar alvos em Hanói.

Um bombardeiro B-52 decola da Base da Força Aérea Andersen em Guam em apoio ao Linebacker II. (Foto: U.S. Air Force)

Os bombardeiros e a forma como a Força Aérea dos EUA os implantou não poderiam ser mais diferentes do que os B-52s atualizados que o braço voador poderia enviar em ataques aéreos hipersônicos na década de 2030.

No final de 1972, o Comando Aéreo Estratégico (SAC) da USAF colocou em voo os B-52 para ataques em massa contra alvos norte-vietnamitas que o governo do presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, esperava que influenciassem as negociações de cessar-fogo entre Hanói e Saigon.

O SAC chamou a operação de “Linebacker II”. O comando analisou os números e apresentou um plano preciso para bombardear Hanói. Os B-52s cronometrariam suas decolagens da Tailândia e de Guam para que chegassem aos seus “pontos iniciais” fora da cidade sob a cobertura da escuridão.

Voando em formações de três aviões a uma altitude de 30.000 pés ou mais, os bombardeiros de 48,4 metros iriam direto para Hanói sem alterar a altitude, rotas ou manobras. A ideia era que os três bombardeiros se cobrissem com seus poderosos bloqueadores de radar.

Depois de lançar suas cargas de até 108 bombas de 500 e 750 libras, os B-52s se afastariam de Hanói como uma formação e voltariam para a base.

Os B-52s foram lançados para os primeiros ataques na ‘Linebacker II’ na tarde de 18 de dezembro de 1972. Oitenta e sete B-52s rugiram para fora das pistas em Guam. Quarenta e dois partiram de U Tapao, na Tailândia. Juntos, eles transportaram cerca de 14.000 bombas.

Os B-52s executam uma série de ataques noturnos, com SAMs e um MiG-21 na defesa, na pintura de Jack Fellows “High Road to Hanoi”.

Os defensores aéreos norte-vietnamitas se abriram com tudo o que tinham. Duzentos mísseis terra-ar ergueram-se no céu. No auge da batalha aérea, 40 mísseis estavam no ar ao mesmo tempo.

Três B-52s caíram no chão em chamas, incluindo dois B-52Ds com os mais recentes na época bloqueadores AN/ALT-22 e um B-52G com um AN/ALT-6B mais antigo. Dois bombardeiros foram atingidos durante ou após a curva de ida.

A Força Aérea dos EUA modificou rapidamente o AN/ALT-22s em todos os B-52Ds e cerca de metade dos B-52Gs que transportavam o jammer. O resto dos modelos G tinham os AN/ALT-6Bs mais antigos.

Uma aeronave B-52D Stratofortress, do Strategic Air Command, se alinha para decolagem enquanto se prepara para ataques sobre Hanói e Haiphong, Vietnã do Norte, durante a Operação LINEBACKER.

No segundo dia do ‘Linebacker II’, o SAC autorizou manobras evasivas. Noventa e três bombardeiros decolaram. Cento e oitenta SAMs foram disparados para enfrentá-los. Sem acertos.

O terceiro dia foi um banho de sangue para os americanos. Seis dos 90 bombardeiros foram abatidos, incluindo quatro Gs sem o mais moderno jammer. Três caíram enquanto voltavam para casa.

No quarto dia, a tendência era clara. A virada foi mortal, então o SAC planejou novas rotas de saída que permitiram que os bombardeiros que voavam da Tailândia continuassem em frente, sobre o Golfo de Tonkin antes de fazer uma corrida tranquila para o sul.

O SAC também percebeu que os bombardeiros sem o jammer mais recente eram inaceitavelmente vulneráveis. No quarto dia, o comando lançou apenas B-52Ds.

Em 11 dias de ataques que terminaram em 29 de dezembro de 1972, o SAC lançou 729 surtidas de B-52. Os norte-vietnamitas, por sua vez, dispararam cerca de 900 mísseis terra-ar. Quinze B-52s foram abatidos – todos por SAMs – e vários outros foram danificados sem possibilidade de reparo. Dezoito tripulantes morreram. Quinze desapareceram.

Os bombardeiros, em troca, infligiram pesados ??danos às instalações militares e industriais do Vietnã do Norte. Milhares de vietnamitas morreram.

Mas toda aquela destruição maciça teve pouco efeito nas negociações entre o Norte e o Sul do Vietnã. E essas conversas, por sua vez, tiveram pouco efeito no resultado da guerra, três anos depois.

A campanha ‘Linebacker II’ pelo menos ilustra as capacidades – e vulnerabilidades – do B-52 nas primeiras décadas de serviço longo do tipo. Não é à toa que a Força Aérea dos EUA hoje está gastando bilhões de dólares para permitir que os bombardeiros gigantes lancem ataques de precisão bem fora do alcance das defesas aéreas inimigas.

A alternativa possível é perder muitos bombardeiros e tripulações. E matando muitos civis inocentes.

 



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Main Menu