GUERRA DAS FALKLANDS/MALVINAS: Argentina quis comprar bombardeiros Vulcan antes das hostilidades – Cavok Brasil


Em 2 de abril de 1982, a Argentina invadiu e ocupou as Ilhas Falkland/Malvinas. Foi o início de um conflito de dez semanas que terminou com a rendição dos argentinos em 14 de junho e as ilhas retornando ao controle britânico.

Em uma rara sessão de fim de semana, a Câmara dos Comuns da Grã-Bretanha se reuniu em um sábado, 3 de abril de 1982, para responder à invasão. Fazia quase 30 anos desde a última sessão em um sábado, em 3 de novembro de 1956, para discutir a crise de Suez.

A Grã-Bretanha teve o apoio do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com os Estados Unidos tentando intermediar um acordo de paz. Alexander Haig foi o secretário de Estado dos Estados Unidos no governo do presidente Ronald Reagan e serviu como intermediário entre a Grã-Bretanha e a Argentina em um esforço para encontrar uma solução para o conflito.

Em 19 de abril, Alexander Haig retornou de Buenos Aires a Washington depois de mais de três dias de conversas muito detalhadas. Haig foi oferecido um plano para a retirada das tropas argentinas das Ilhas Falkland/Malvinas e administração conjunta argentino-britânica. Eles também insistiram que, após seis meses de negociações, as Ilhas Falkland/Malvinas teriam que ficar sob plena soberania argentina.

Claramente esta era uma oferta que a Grã-Bretanha não aceitaria. O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Francis Pym, disse ao Parlamento naquele dia que “estamos intensificando a pressão militar, econômica e diplomática sobre a Argentina”.

Na reportagem da CBC em 1982 (abaixo) mostra um jovem Joe Biden (atual presidente dos EUA) sendo entrevistado depois de participar de um briefing do secretário de Estado Alexander Hague.

A retomada das Ilhas Malvinas foi considerada extremamente difícil. Segundo o historiador Arthur L. Herman, as chances de sucesso da Grã-Bretanha foram avaliadas pela Marinha dos EUA como “uma impossibilidade militar”. No entanto, a Grã-Bretanha estava fazendo preparativos em caso de guerra. Após a invasão em 2 de abril, uma força-tarefa britânica começou a se reunir.

Toda a força-tarefa acabou sendo composta por vários submarinos nucleares e 127 navios, incluindo porta-aviões da Marinha Real, navios Auxiliares da Frota Real e navios da Marinha Mercante. Esses navios também transportaram algumas das Forças Armadas para a Ilha da Ascensão – composta por militares dos Royal Marines, Exército Britânico e Marinha Real.

Aeronaves da RAF na Ilha de Ascensão em 1982. (Foto: Bob Shackleton)

A RAF forneceu Harriers e aeronaves de transporte Lockheed C-130 Hercules para Ilha de Ascensão, transportando provisões e pessoal da RAF e da Marinha Real para estabelecer uma base. A RAF também estava pesquisando a possibilidade de realizar uma campanha de bombardeio de longo alcance com Vulcans usando reabastecimento aéreo.

Em junho de 1961, o Vulcan “XH481” do Esquadrão 617 partiu da Base da RAF de Scampton, em Lincolnshire e voou sem escalas para a Base da RAAF de Richmond, perto de Sydney, na Austrália. Foi o primeiro voo sem escalas do Reino Unido para a Austrália.

A distância de 11.500 milhas era muito maior do que a missão nas Falklands/Malvinas. O Vulcan exigiu três reabastecimentos em voo (REVOs), o que demonstrou o aumento do alcance de ataque do Vulcan com REVO. Foi esse fator que fez do Vulcan uma consideração para a missão das Falklands/Malvinas. No entanto, o voo da Austrália foi com o apoio de aviões-tanque pré-posicionados ao longo da rota, o que não seria possível a partir da Ilha de Ascensão.

Um bombardeiro Vulcan transfere combustível para outro Vulcan.

A velha frota Vulcan havia sido planejada para deixar o serviço da RAF no final de 1982. Os argentinos haviam declarado interesse em adquirir entre 6 e 12 aeronaves Vulcan, apenas alguns meses antes de invadir as Ilhas Falkland/Malvinas.

Em 29 de janeiro de 1982, a Embaixada do Reino Unido em Buenos Aires enviou este telegrama ao Foreign and Commonwealth Office (clique na imagem para abrir o PDF completo).

A resposta, enviada em 2 de fevereiro, foi que os Vulcans poderiam ser usados ??para ameaçar as Falklands/Malvinas, então “nós somos obrigados a nos opor à venda”.

Apenas dois meses depois o território britânico foi invadido pela Argentina e os Vulcans passaram a ser considerados na ação de recaptura das ilhas.

O chefe do ar, o marechal Michael Beetham, havia proposto inicialmente um ataque no qual um único bombardeiro Vulcan carregaria uma carga leve de bomba para manter os requisitos de REVO no mínimo. O ataque foi planejado para ser no aeródromo de Port Stanley, pois era a única pista de concreto útil nas Ilhas Falkland/Malvinas e estava sendo usada pelos argentinos como uma de suas principais ligações de volta ao continente.

James Moffat, matemático do Ministério de Defesa Britânico, foi encarregado por Beetham de analisar a proposta para o ataque a Port Stanley. Ele havia coletado informações, como a altura da aeronave sobre o alvo e a composição da superfície da pista da construtora britânica que construiu o aeródromo de Port Stanley, para poder calcular o tamanho de uma cratera feita por uma bomba de 1.000 libras.

Com esses dados ele conseguiu calcular a carga ótima de bombas, levando em consideração que quanto mais pesada a aeronave, maior o consumo de combustível e mais REVOs seriam necessários, ou a falta de combustível significaria que a aeronave possivelmente seria abandonada no Atlântico Sul.

Vinte e uma bombas de 1.000 libras no Vulcan XM607 antes do primeiro ataque (Foto: David Oliver)

Ele calculou que uma carga leve de sete bombas de 1.000 libras não seria suficiente. Sua análise confirmou que uma carga completa de 21 bombas de 1.000 libras teria 90% de probabilidade de colocar uma cratera na pista e haveria 75% de chance de duas crateras. Esperava-se também que um ataque causasse danos às áreas de dispersão e às aeronaves estacionadas nas proximidades.

O complicado plano de reabastecimento que foi elaborado para apoiar a missão.

A carga útil maior de 9,5 toneladas métricas, que precisaria ser transportada por 3.900 milhas de oceano, significava que a aeronave de reabastecimento precisaria reabastecer outros reabastecedores para colocá-los na posição certa para reabastecer o Vulcan.

Infográfico do esquema de reabastecimento em voo na missão que seria chamada Black Buck.

O detalhe foi informado ao Gabinete de Guerra, presidido pela primeira-ministra Margaret Thatcher, e foi decidido que 21 bombas teriam que ser usadas no que seria uma missão extraordinária e recorde.

O poderoso Vulcan “XH558” após a modificação da sonda de reabastecimento na Base da RAF de Haddington, antes de ser enviado para missão de bombardeiro em Port Stanley.

O trabalho de preparação dos cinco Vulcans escolhidos para uma possível missão começou na sexta-feira, 9 de abril. Uma das tarefas mais desafiadoras foi restabelecer o sistema de reabastecimento aéreo, pois estava bloqueado. O reabastecimento não era feito há vários anos com um Vulcan e, embora os Vulcans fossem capazes de transportar bombas convencionais, isso também não era feito há muito tempo. Também foram necessárias modificações no compartimento de bombas e a instalação de um novo sistema de navegação, bem como a atualização de vários componentes eletrônicos de bordo.

Os trilhos de mísseis Shrike montados às pressas sob a asa do Vulcan “XM598”.  (Foto: David Oliver)

Kevin ‘Taff’ Stone, engenheiro-chefe do “XH558”, trabalhou em Vulcans durante esse período. Ele lembra o momento como “muito intenso, a gente trabalhava em turnos de 24 horas”. Ele continuou dizendo “nós estávamos instalando sistemas de outras aeronaves no fim de semana. Montamos equipamentos de navegação da aeronave VC10, contramedidas eletrônicas dos Buccaneers, mísseis anti-radar dos Buccaneers”.

Uma aeronave Victor reabastece em voo um Vulcan.

Nenhum dos vulcanos escolhidos para a missão estava equipado com os porta-bombas. Encontrar todos os componentes para o número de racks necessários provou ser difícil. Felizmente, alguém se lembrou de que alguns foram vendidos para um ferro-velho em Newark-on-Trent e foram recuperados. Uma peça vital necessária para o reabastecimento foi famosamente encontrada sendo usada como cinzeiro em uma sala da tripulação.

O Vulcan “XM607”, o primeiro avião a lançar suas bombas na pista de pouso de Port Stanley durante a mais longa missão de bombardeio de todos os tempos.

O treinamento para as tripulações Vulcan começou em 14 de abril. Um Instrutor de Reabastecimento em Voo do avião-tanque Victor foi adicionado a cada tripulação, pois o reabastecimento não era praticado em um Vulcan há vários anos. As tripulações também treinaram em voo de nível ultrabaixo, bombardeio de 1.000 libras e treinamento em Guerra Eletrônica na Base da RAF de Spadeadam. Todo o tempo ninguém sabia qual seria sua missão.

Na sexta-feira, 23 de abril, o Comitê de Chefes de Estado-Maior do Ministério de Defesa se reuniu para discutir o uso da aeronave Vulcan para ataques ao aeródromo de Port Stanley. O documento contendo a ata da reunião foi desclassificado em 2012, 30 anos após o conflito (clique na imagem para abrir o PDF completo).

O plano da Grã-Bretanha era voar com Vulcans do aeródromo de Wideawake, na Ilha de Ascensão, para as Ilhas Falkland/Malvinas para as missões. Wideawake era tecnicamente uma base da Força Aérea dos Estados Unidos. O Departamento de Estado dos Estados Unidos foi consultado e afirmou que não tinha objeções.

Em 27 de abril, o Gabinete de Guerra de Margaret Thatcher deu autoridade para prosseguir com a operação, codinome Black Buck. Apenas duas semanas após o início do treinamento, as tripulações foram informadas de que voariam para a Ilha de Ascensão para se preparar para um bombardeio no aeródromo de Port Stanley na noite de 30 de abril.

Os dois primeiros Vulcans, comandados pelo líder do esquadrão John Reeve e pelo tenente de voo Martin Withers, deixaram Waddington às 09:00 em 29 de abril e chegaram a Wideawake às 18:00. Foi um voo de nove horas sem escalas durante o qual foram reabastecidos duas vezes por Victor petroleiros.

Um dos Vulcans que seguia para Ilhas Falkland/Malvinas acabou tendo problema num dos reabastecimentos em voo e foi forçado a pousar no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro (conforme pode ser lido acima em matéria da revista Veja de 9 de junho de 1982).



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Main Menu