Comandante da Força Aérea Indiana fala sobre táticas de batalha da IAF – Cavok Brasil

Comandante da Força Aérea Indiana fala sobre táticas de batalha da IAF – Cavok Brasil


O comandante da Força Aérea Indiana (IAF), Marechal do Ar Vivek Ram Chaudhari, apontou nesta terça-feira que a IAF atualmente opera uma grande variedade de aeronaves de caça diferentes com origens em pelo menos seis países diferentes. E poderá aumentar.

 No entanto, o chefe da IAF não comentou sobre o fato de que uma concorrência em andamento para aquisição de 114 caças poderá incluir em breve, um sétimo tipo de caça em seu inventário.

 Uma licitação da IAF para 114 “aeronaves de combate multifunção” (MRCA) provavelmente obterá propostas de oito caças: Boeing (F/A-18E/F Super Hornets e F-15EX), Sukhoi (Sukhoi-35), RAC MiG (MiG-35), Eurofighter (Typhoon), Lockheed Martin (F-21), Saab (Gripen E) e Dassault (Rafale). 

O F-21 é uma variante do F-16, que poderá ser produzida localmente. para a IAF. Concepção LM.

Destes, apenas o Rafale já está no inventário da IAF. A Frota atual é composta por Sukhoi-30MKI, Dassault-Rafale, MiG-29UPG, Jaguar, Mirage 2000 e Tejas Mark 1. Isso sem contar o MiG-21, que está sendo retirado de serviço.

 O chefe da IAF disse que o foco estava anteriormente em hardware (aeronaves de combate), mas agora mudou para software, dados e inteligência artificial (IA). A chave para vencer guerras futuras, disse Chaudhari, é tornar nossas próprias redes seguras e resilientes enquanto interferimos nas redes inimigas.

Durante uma palestra sobre o futuro da guerra aérea em um conclave da All India Management Association (AIMA) em Delhi na terça-feira, Chaudhari disse que toda a capacidade econômica, informacional e tecnológica de uma nação deve ser exercida sobre o adversário.  

Linha de voo com Mirages 2000 e SU-30.

“Mesmo antes do primeiro tiro ser disparado, uma narrativa bem elaborada pode ter um efeito devastador sobre o adversário, e um ataque cibernético pode prejudicar sua estrutura de comando e controle”, disse ele.

 Ilustrando que a teoria e a prática de combate tático dos EUA estavam encontrando seu caminho no pensamento militar indiano, Chaudhri afirmou que a IAF estava tentando encurtar seu “loop OODA”, para manter o inimigo um passo atrás.

 O “loop OODA” refere-se ao ciclo de táticas de combate, desenvolvido pelo Coronel da Força Aérea dos EUA John Boyd, no qual as unidades de combate tentam acelerar o ciclo de ação de “Observar-Orientar-Decidir-Agir”.  

O primeiro passo – observar – envolve “escanear” a situação, para construir a imagem mais precisa e abrangente possível. O segundo passo – orientação – requer ver a situação como ela realmente é, livre de vieses cognitivos e atalhos. 

A HAL divulga o Tejas Mk1A como um dos melhores caças leve do mundo.

As duas primeiras etapas fornecem a base para a terceira – decidir – que pode exigir a escolha entre várias opções. É então a hora do quarto passo – ação – cujo resultado testa a decisão. O ciclo então recomeça. 

Chaudhari disse que a IAF está tentando encurtar seu ciclo OODA por meio de investimentos em tecnologia e treinamento e fornecendo integração entre sensores, tomadores de decisão e atiradores. “Precisamos estar totalmente conectados em rede o tempo todo e precisamos usar dados e IA para manter o loop OODA mais curto”, disse ele. 

O uso de drones agora faz parte da doutrina da IAF e veículos aéreos não tripulados (UAVs) estão sendo integrados a sistemas tripulados, disse Chaudhari. Ele apontou para o uso efetivo de drones nas guerras mais recentes em todo o mundo, incluindo o uso de drones pela Ucrânia contra as forças da Rússia.

Mig-21 taxia próximo aos SU-30 da IAF.

 Mísseis hipersônicos, que foram usados ??no conflito Rússia-Ucrânia, também estão transformando a guerra, disse. Embora a alta velocidade de tais mísseis os torne difíceis de interceptar, a IAF está desenvolvendo contramedidas contra eles.

Chaudhari apoiou fortemente a produção local de sistemas de defesa, incluindo mísseis hipersônicos, nos quais a Índia deu um passo à frente. “É melhor permanecer com tecnologia local e não receber transferência (de tecnologia), mesmo que leve tempo”, disse ele.




Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Main Menu