Colômbia seleciona jatos TA-50/FA-50 como novo treinadores? FAC nega negociações – Cavok Brasil

Colômbia seleciona jatos TA-50/FA-50 como novo treinadores? FAC nega negociações – Cavok Brasil


A Força Aérea da Colômbia (FAC) escolheu uma mistura de jatos TA-50 e FA-50 Golden Eagles como seus próximos treinadores a jato, disseram recentemente fontes militares colombianas.

A Força Aérea Colombiana planeja adquirir pelo menos 20 jatos de treinamento avançados com capacidades de combate ar-ar e ar-solo sob um projeto estimado em US$ 600 milhões.

Embora a notícia tenha sido divulgada por alguns sites como o DefenseNews, a Força Aérea Colombiana negou que as negociações estejam em andamento para adquirir as variantes do jato Golden Eagle, fabricadas pela sul coreana Korea Aerospace Industries (KAI). A instituição indicou que atualmente a FAC não possui nenhuma informação sobre a compra ou negociação de aeronaves para a Colômbia e reiterou que as informações divulgadas são apenas suposições e especulações.

De acordo com as informações divulgadas, essa negociação teria ocorrido após uma visita há alguns meses de funcionários do Ministério da Defesa e da Força Aérea Colombiana à Coreia do Sul.

Mas fontes locais, que falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizadas a falar com a imprensa, disseram que o governo colombiano reconheceu a preferência da Força Aérea da Colômbia pela aeronave sul-coreana e insistiu que as negociações com o KAI também envolvam a Leonardo.

A empresa italiana foi selecionada durante o processo de competição e ofereceu seu jato de treinamento avançado M-346 Master. A inclusão de concorrentes visa ajudar a Colômbia a negociar uma melhor oferta.

A Colômbia está comprando novas aeronaves para substituir seus jatos bimotores de ataque leve Cessna A-37B Dragonfly, que foram aposentados em junho de 2021. Eles foram usados ??em missões de contrainsurgência e como treinadores táticos. No treinamento, apoiarão os turboélices T-6 “Texan II” na escola de pilotos.

T-37B Dragonfly da FAC.

As novas aeronaves também devem preencher temporariamente uma lacuna de capacidade deixada pela frota envelhecida de jatos Kfir fabricados em Israel, a principal aeronave de combate da Colômbia. A Força Aérea Colombiana deve começar a aposentar seus Kfirs em 2023, provavelmente sem um substituto disponível. A Colômbia está atualmente considerando três propostas para substituir os Kfir: o Eurofighter T3 da Airbus, via Espanha, o sueco Gripen E da Saab e o americano F-16 Viper Block70/72 da Lockheed Martin.

Equipados com radares de varredura eletrônica ativa ELM-052 da empresa israelense Elta Systems e armados com mísseis Derby além do alcance visual da Rafael Advanced Defense Systems de Israel, os Kfirs da Colômbia estão entre os principais caças operacionais da América do Sul.

Jato Kfir da FAC.

Mas os custos de manutenção e operação ficaram muito caros, levando a limites nas horas de voo e forçando a FAC a recusar convites para exercícios internacionais, como o Red Flag nos EUA. As atuais restrições orçamentárias impedem de momento tal escolha de um substituto para os Kfirs, com a dupla escolha TA/FA-50 sendo uma solução intermediária mais plausível no momento.

Esta não seria a primeira vez que a Colômbia e a Coreia do Sul trabalhariam juntas. A Colômbia foi um dos países que contribuíram com tropas para os esforços das Nações Unidas na Guerra da Coréia.

Em 2012, a Marinha colombiana encomendou um número não revelado de mísseis anti-navio SSM-700K de fabricação sul-coreana para atualizar seus quatro navios da classe Padilla, construídos na Alemanha. E em 2014 e em 2020, a Marinha sul-coreana doou corvetas de segunda mão para sua contraparte colombiana.

O Golden Eagle foi desenvolvido em colaboração com a Lockheed Martin no final da década de 1990 e introduzido em serviço pela primeira vez em 2005. É alimentado por um turbofan General Electric F404, pode atingir velocidades de Mach 1,5 e tem um alcance de voo de 1.850 quilômetros (1.150 milhas). Pode ser armado com mísseis ar-ar guiados por infravermelho de curto alcance e armas ar-terra. Existem planos para integrar os mísseis além do alcance visual AIM-120 e Derby, bem como a tecnologia de radar leve AESA.

O mesmo modelo de avião chegou a ser cogitado pela Argentina. Mas a aquisição acabou barrada pelo Reino Unido, país de origem de alguns dos componentes da aeronave.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Main Menu