Aviadores da ANG discutem operações espaciais com colegas brasileiros – Cavok Brasil

Aviadores da ANG discutem operações espaciais com colegas brasileiros – Cavok Brasil


Três aviadores da Guarda Aérea Nacional (ANG) de Nova York passaram de 18 a 25 de abril compartilhando seus conhecimentos sobre operações espaciais e sua organização com aviadores brasileiros designados para o Comando de Operações Aeroespaciais daquele país.

A visita dos aviadores de Nova York, atribuídos ao 222º Esquadrão de Comando e Controle, foi a última troca no âmbito do acordo do Programa de Parceria Estatal que a Guarda Nacional de Nova York iniciou com o Brasil em 2018. Também foi a quarta vez que o espaço da Guarda Nacional de Nova York especialistas se reuniram com seus homólogos brasileiros para discutir operações espaciais.

O 222º Esquadrão de Comando e Controle, com sede em Rome, Nova York, tem a missão de fornecer pessoal para aumentar as operações do Escritório Nacional de Reconhecimento.

O National Reconnaissance Office é a agência responsável por operar a rede de satélites espiões dos Estados Unidos e fornecer inteligência baseada no espaço para o Departamento de Defesa e outras agências.

O Programa de Parceria do Estado liga as forças da Guarda Nacional do estado com militares de outras nações para desenvolver relacionamentos e compartilhar informações. Nova York também tem uma relação de programa de parceria com a Força de Defesa Nacional da África do Sul desde 2003.

“Os brasileiros estão buscando desenvolver seu próprio programa de operações espaciais militares e aderir ao sistema de conhecimento do domínio espacial que os Estados Unidos utilizam”, disse a capitã Leah Elsbeck, oficial de operações espaciais do 222º.

Ela também atua como ligação espacial para o escritório do Programa de Parceria Estadual da Guarda Nacional de Nova York.

O objetivo do intercâmbio é fornecer aos brasileiros informações úteis e lições aprendidas pelos Estados Unidos que eles podem usar ao moldar seu programa, explicou Elsbeck.

Centro de Controle do CLA.

O tenente-coronel Chris Graziano, chefe de planos e estratégia do 222º, e o sargento Ryan Keenen, analista de inteligência de contraespaço, também participou da troca com Elsbeck. Um representante civil da sede do Comando Espacial dos Estados Unidos, Chad Goldlewski, também fez parte da equipe.

Muitas das discussões se concentraram no gerenciamento de dados e como acompanhar mais de 27.000 objetos que orbitam a Terra, disse Elsbeck. Estes vão desde a Estação Espacial Internacional até pedaços de satélites explodidos em testes de armas, de acordo com a NASA.

“Discutimos com eles a maneira de coletar e armazenar suas informações para torná-las acessíveis”, disse Elsbeck.

Embora os membros do 222º se especializem em trabalhar com o Escritório Nacional de Reconhecimento, eles também estão atualizados na doutrina mais recente da Força Espacial e compartilharam essas informações organizacionais com os brasileiros, disse ela.

A 222ª está trabalhando para integrar os brasileiros a uma rede existente de Conscientização do Domínio Espacial usada pela Força Espacial dos EUA, Guarda Nacional, parceiros comerciais e países aliados, disse Elsbeck.

O esforço está sendo conduzido como parte das Operações Comerciais Conjuntas de Defesa Espacial da Força-Tarefa Conjunta do Comando Espacial, ou JTF-SD JCO, disse ela.

O Brasil pode contribuir com esse esforço porque terá telescópios e sensores localizados perto da Linha do Equador, que podem preencher lacunas no atual sistema de rastreamento, disse Elsbeck.

A equipe discutiu o próximo lançamento do Brasil de dois satélites em uma órbita na qual o país atualmente não opera, destacando as vantagens e os desafios que vêm com essa expansão, acrescentou.

Pontos de discussão adicionais incluíram a integração brasileira nas operações espaciais dos Estados Unidos por meio de exercícios anuais com a ativa e a Guarda Nacional.

A equipe de Nova York visitou o Centro de Operações Espaciais da Força Aérea Brasileira em Brasília, capital do país. Eles também se reuniram com funcionários do Instituto Tecnológico de Aeronáutica Brasileiro, um esforço conjunto de pesquisa acadêmica militar-civil, em São José dos Campos.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Main Menu